O que é Daseinsanalyse?

Françoise Dastur

 

O termo “Daseinsanalyse” apareceu pela primeira vez em 1927 na obra-mestra de Martin Heidegger, Ser e Tempo. Foi imediatamente traduzido para francês por “analyse existentielle”. Mas esta denominação está na origem de um contra-senso sobre o sentido original que Heidegger deu ao termo Dasein: é essa a razão pela qual tomamos o hábito de conservar o termo alemão Dasein, mesmo em francês. Este termo, que significa literalmente “ser-aí”, é aquele pelo qual a filosofia alemã traduziu, depois de Kant, o latim existentia, mas Heidegger deu-lhe um sentido muito particular, já que designa na sua filosofia exclusivamente o ser do homem que, uma vez que a compreensao do ser lhe pertence, não pode ser definido de outro modo que como o modo de ser fora de si, como ex-istencia – este termo não designando mais em Heidegger o simples facto de ser para um qualquer ente, mas exclusivamente o modo de ser proprio do Dasein. A compreensão efectiva que o Dasein tem de si mesmo é, pois, uma compreensão existencial. Mas aquilo que Heidegger designa por analise existencial ou Daseinsanalyse nao se situa ao nível simplesmente “ôntico” do comportamento individual concreto, mas ao de uma explicitação tematica da sua estrutura ontológica. A tarefa da anaıtica existencial consiste em distinguir e em analisar as modalidades de ser fundamentais do Dasein, os seus existenciarios. A diferença entre “existencial” e “existenciario” deve ser claramente sublinhada: não há nível existenciario sem fundamento existencial, quer dizer, sem a compreensao que tem da sua própria existência um Dasein em cada caso singular. Mas a analise existencial, uma vez que não visa unicamente um Dasein particular, mas o Dasein como tal, constitui a ontologia fundamental que serve de solo a todas as ontologias regionais, que tem por tarefa elucidar o modo de ser dos entes diferentes do Dasein, daqueles que procedem, por exemplo, da regiao “natureza” ou “vida”.

É Ludwig Binswanger (1881-1966) o verdadeiro fundador da psiquiatria daseinsanalítica. Ludwig Binswanger, que dirigira a partir de 1910 e até a sua morte a clínica Bellevue, fundada pelo seu pai em Kreuzlingen, na Suiça, encontrou Freud pela primeira vez em 1906 e nao parou mais de se dar com este, como atesta a sua correspondencia, um diálogo crítico que se estende sobre mais de trinta anos. E, com efeito, na crítica do psicologismo que dirige Husserl no primeiro tomo das suas Investigações Lógicas, aparecidas em 1900, e na sua redefiniçao da consciência em termos de intencionalidade e de sentido, que Binswanger vai encontrar os motivos para se opor ao naturalismo demasiado estreito de Freud. Começa entao a designar a direcção da sua pesquisa, que se desenvolveu em relação com a fenomenologia husserliana, com o nome de “antropologia fenomenologica”, integrando-se assim na larga corrente da “antropologia fenomenologica”, que reuniu a partir dos anos 20, para alem do próprio Binswanger, o neurologista Victor von Weizsäcker (O círculo da estrutura, aparecido em 1939), o neuropsiquiatra Erwin Strauss (Sobre o sentido dos sentidos, aparecido em 1935), e o psiquiatra frances Eugêne Minkowski (O tempo vivido, 1933) e muitos outros ainda, que se reclamavam da obra de Jaspers (Psicopatologia geral, 1913, traduzida para frances desde 1933), mas tambem de Scheler, Kierkegaard, Brentano, Dilthey, Natorp, Lipps, Bergson, antes de sofrerem as influências decisivas de Husserl e de Heidegger. 

Leia o artigo na íntegra 

 

Françoise Dastur

Filósofa francesa. Professora emérita da Universidade de Nice Sophia Antipolis

Esse espaço é dedicado à divulgação de textos relevantes no âmbito da Psicologia fenomenológica e hermenêutica.

  • André Duarte
  •  
     
     
  • Arthur Tatossian
  •  
     
     
     
  • Cristine Monteiro Mattar
  •  
     
  • Eugène Minkowski
  •  
     
     
  • Edmund Husserl
  •  
     
  • Françoise Dastur
  •  
     
  • Gaston Bachelard
  •  
     
  • Irene Borges-Duarte
  •  
     
     
  • Ludwig Binswanger
  •  
     
     
     
     
     
  • Marco Antonio Casanova
  •  
     
     
     
     
  • Martin Heidegger
  •  
     
     
     
  • Medard Boss
  •  
     
  • Nelson Coelho Junior
  •  
     
  • Roberto Novaes de Sá
  •  
     
     
  • Róbson Ramos dos Reis
  •  
     
     
  • Wilhelm Dilthey
  •  
     
  • Zeljko Loparic
  •