Existência e Gênero: entre Simone de Beauvoir, Judith Butler e Paul Beatriz Preciado

Início 15 de março de 2019, sextas-feiras das 10h30 às 12h30

Professor Alexandre Marques Cabral

 

O curso Existência e Gênero almeja percorrer a obra de autorxs que promovem uma efetiva reflexão crítica sobre a questão político-existencial de gênero. Trata-se de caracterizar o gênero como constructo histórico-político, por meio da tematização de conceitos que performatizem a corporeidade, desconstruam as bases metafísicas da subjetividade humana e possibilitem pensar formas alternativas de existência às diversas práticas e discursos que instituem e normatizam binarismos de gênero e as práticas sexuais. Para tanto, é necessário pensar como o gênero é construído é naturalizado por meio da noção biológico-metafísica de natureza sexual ou sexo. Por outro lado, pensar formas de insubmissão às normatividades de gênero é condição sine qua non para se conquistar um horizonte de compreensão das possibilidades históricas de resistência de certas subjetividades violentamente submetidas às normas reguladoras de gênero/sexo. Estrategicamente, percorreremos as obras de Simone de Beauvoir, Judith Butler e Paul Beatriz Preciado, para uma reta tematização da relação entre gênero, normatização político-existencial e resistência.

Ao assinalar que a mulher tornou-se esta mulher historicamente constituída como outro do homem, Simone de Beauvoir visa a mostrar que a mulher foi produzida socialmente como segundo sexo, isto é, como “essencialmente” subjugada ao arco semântico que define o que é o homem, este compreendido como o absoluto da condição humana. Ora, se a mulher é um devir (tornar-se) histórico específico, então, não há qualquer base biológico-metafísica de definição do “que” é a mulher, uma vez que ela, assim como todo ser humano, é marcada pela negatividade que caracteriza todo ser existencialmente constituído. Por isso, é possível ser de outro modo, vir a ser outra e não se submeter às formas normatizadoras de fabricação da mulher como outro.

Por sua vez, Judith Butler tematiza a noção de gênero por meio de um aparelho conceitual derivado, em seus aspectos centrais, da obra de Foucault. Nesse sentido, ela interrelaciona discurso e poder e os pensa como índices de fabricação da subjetividade e do gênero. Nesse sentido, a identidade de gênero acaba assinalando a copertinência politicamente constituída de sexo (considerado um fato biológico), gênero, desejo e prática sexual. Tal copertinência não somente hierarquiza e “binariza” gêneros, como inviabiliza modos de realização do desejo e de certas práticas sexuais. Contudo, ao assinalar que todo sexo é, em verdade, gênero, Butler abre o horizonte para se pensar outras possibilidades de ser fora das normatividades de gênero. Nesse sentido, o gênero pode ser ressignificado ou parodizado, como no caso dx drag queen/king. Aí se encontra uma efetiva possibilidade de resistência.

Por fim, Paul Beatriz Preciado assinala que todo sexo é plástico, orientando-se pela metaforização do dildo, pênis de plástico ou borracha que acaba por mostrar a plasticidade do sexo e do corpo como um todo. Essa desconstrução da pretensa substancialidade do corpo acaba por ressignificar a noção de cu, que, diferentemente do pênis e da vagina, está presente em todo ser humano, servindo de paradigma para ressignificação da corporeidade como um todo, além da sexualidade e da questão de gênero. Dessa forma, é possível pensar em um contrato contrassexual, que coloque em xeque a pretensa natureza sexual do ser humano.

Tudo isso deve ser estudado ao longo do curso, além de outros conceitos que favoreçam o desenvolvimento dos objetivos assinalados. 

 

Conteúdo programático

  1. Simone de Beauvoir e a crítica existencial de gênero

 

  • A mulher como outro e a realidade do segundo sexo
  • Estratégias de má-fé e a condição histórica da mulher
  • Da ambiguidade moral às práticas de liberdade: uma análise de Por uma moral da ambiguidade
  • A atualidade de Simone de Beauvoir no feminismo contemporâneo: o exemplo de Grada Kilomba

 

  1. Judith Butler e a crítica da razão de gênero

 

  • Gênero como problema (trouble): elementos centrais da prática genealógica de Butler
  • Violência e identidade de gênero: da heterossexualidade compulsória à violência dos sistemas binários
  • Genealogia dos corpos abjetos: sobre a materialidade discursiva do corpo
  • Corpo, sujeição e resistência: paródia e ressignificação de gênero

 

  1. Paul Beatriz Preciado e o contrato contrassexual

 

  • O que é contrassexualidade?
  • O dildo e a sexualidade plástica
  • A onipresença do cu
  • Sobre os corpos indóceis

 

Bibliografia

BEAUVOIR, Simone. O segundo sexo. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1967.

__________. Moral da ambiguidade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1970.

 

BUTLER, Judith. "Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do 'sexo'". In: LOURO, Guacira Lopes (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

________. A vida psíquica do poder: teorias da sujeição. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

_______. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.

PRECIADO. Paul Beatriz. Manifesto contrassexual. São Paulo: N-1, 2017.

__________. Texto Junkie: sexo, droga e pornografia na era farmacopornográfica.. São Paulo: N-1, 2018.

 

Duração:

12 aulas de 2 horas cada, totalizando 24 horas de aula. Verifique os dias e horários dos cursos na agenda.

 

Modalidades:

Presencial - O curso é ministrado na Rua Paracuê, 157 - Sumaré - São Paulo/SP (próximo à estação Vila Madalena do metrô).

Acompanhamento remoto - Transmissão online ao vivo das aulas por meio da plataforma Eventials.

 

Em ambas as modalidades o aluno tem acesso às gravações em vídeo das aulas ministradas. Os vídeos estarão disponíveis para serem assistidos ao longo do semestre nas plataformas de hospedagem.

Para acompanhar os cursos somente pelas gravações, a inscrição deve ser feita na modalidade de acompanhamento remoto.

 

Valores:

Presencial - 4x R$ 320

Acompanhamento remoto - 4x R$ 230

 

Descontos:

  • 50% de desconto na primeira mensalidade para matrículas até o dia 11/01/2019.
  • 25% de desconto na primeira mensalidade para matrículas até o dia 08/02/2019.
  • Ao se matricular em mais de um curso o aluno recebe 20% de desconto no valor total das inscrições.
  • Alunos do semestre passado recebem 15% de desconto no semestre atual.
  • Descontos não cumulativos.

 

Alexandre Marques Cabral é licenciado em Filosofia pelo Centro Universitário Bennett, possui bacharelado eclesiástico em Filosofia pelo Seminário São José do Rio de Janeiro, é bacharel em Teologia pela Escola Superior de Teologia (EST), licenciatura em Teologia pela Universidade Santa Úrsula, é mestre em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, doutor em Filosofia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro e, atualmente, cursa doutorado em Teologia na PUC-RJ. É professor adjunto do departamento de Filosofia da UERJ e professor de Filosofia do Instituto Federal Colégio Pedro II. Atua nas áreas de metafísica, filosofia da religião, mística, fenomenologia, pensamento medieval, Heidegger e Nietzsche.